Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

EDUCAÇÃO DIFERENTE - Gabinete de Apoio e de Intervenção

EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E DEFICIÊNCIA

EDUCAÇÃO DIFERENTE - Gabinete de Apoio e de Intervenção

EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E DEFICIÊNCIA

Apoio on-line

Boa noite!!

Temos um filho de 3 anos e sete meses que foi diagnosticado pela fono com atraso no desenvolvimento global pela fonoaudióloga.

Gostaríamos de saber se este tipo de diagnóstico tem que ser feito por um médico neurologista? Dos problemas neurológicos este seria o menos grave?

Do nosso ponto de vista a coordenação motora dele excelente. Ele sobe escada alternando o pés. Começou a andar com 12 meses, se ele estiver correndo com outras crianças você não percebe, não tem fisionomia diferente. O atraso está na fala. Ele já fala muita coisa, monta frases mas não é compreendido por todos, apenas as pessoas do seu convívio diário. Ele sabe contar (de 1 a 10) mas não sabe cores.

Conforme a fono que é psicopedagoga ele tem noção de letras.

Comparando-o com crianças da sua idade ele apresenta atraso na parte cognitiva. este mês faremos a avaliação do inventário Portage para podermos avaliar "qual o grau do atraso".

Gostaríamos de saber como é o desenvolvimento de crianças com este diagnóstico. Na adolescência, na vida adulta. Quais serão suas dificuldades na escola?

Moramos em Londrina estado do Paraná - Brasil. Vocês tem alguma indicação de escolas no Brasil? Ele teria que frequentar escola especial?

Obrigado.


Para começar, pedimos desculpas pela tardia resposta ao vosso mail. O Atraso Global do Desenvolvimento Psicomotor pode ser definido como um atraso significativo em vários domínios do desenvolvimento, nomeadamente ao nível da motricidade fina/grosseira, da linguagem, da cognição, das competências pessoais e sociais, das actividades da vida diária, etc. As suas características são diversas: heterogénea na etiologia e no perfil fenótipico; prevalência desconhecida mas estimada em entre 1 e 3% das crianças com menos de 5 anos de idade; atraso significativo que se situa 2 desvios padrão abaixo da média (dentro da mesma idade) – QI igual ou inferior a 70%.

Ao nível da intervenção, e numa primeira fase, esta deve ser efectuada pelo médico comunitário que acompanha a criança, para posteriormente se estabelecer o diagnóstico de um atraso ao nível do desenvolvimento. Este diagnóstico é difícil de efectuar devido à grande variação que existe nas aquisições entre as crianças ditas “normais”. Este diagnóstico revela-se eficaz se este for resultante da avaliação do desenvolvimento infantil com vigilância contínua, através da monitorização das áreas de desenvolvimento. Ao contrário, não é eficaz se resultar de um procedimento de rastreio, que consiste numa consulta específica, tendo em conta a idade, a evolução do peso, o crescimento, o perímetro craniano, entre outros.

Alguns sinais de alerta: Motricidade grosseira: não rebola, não puxa, não fica de pé, não anda em linha, … Motricidade fina: não segura, não junta as mãos, não faz construções, tem dificuldades de preensão, … Linguagem: não palra, não diz palavras, não constrói frases, não compreende, não fala de um modo inelegível, … Cognição: não procura, não se interessa por jogos, não categoriza semelhanças, não sabe o nome próprio ou apelido, não sabe contar, não sabe as cores ou qualquer letra, … Psicossocial: não ri, não estranha, não se consola nem aceita mimos, agride sem provocação, não brinca com outras crianças, …

Deve existir um esforço no sentido de detectar alterações do desenvolvimento o mais precocemente possível através da - intervenção precoce – apesar da maioria dos problemas cognitivos se detectarem só com a entrada para a escola (dislexia, discalculia, etc.). Esta intervenção auxiliará as crianças e as famílias a encontrarem um equilíbrio justo de expectativas e de estimulação adequada.

A apie está sediada em Portugal por isso não podemos sugerir escolas no Brasil. Porém, somos a favor da inclusão das crianças e dos jovens com necessidades educativas especiais nas escolas do ensino regular. O conselho que deixamos é que não parem: estimulem a criança ao nivel motor, cognitivo, comunicação, etc...; não se fiquem apenas pelo diagnóstico da fonoaudióloga. Recomendamos a leitura do artigo: http://edif.blogs.sapo.pt/19654.html?view=36294 (onde aborda: características, diagnóstico, tipos de exames, entre outros...)

Qualquer dúvida não hesitem, contactem


 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.